Postagens
recent

Ragnarok: Netflix irá produzir série sobre mitologia nórdica


Resultado de imagem para mitologia nordica



 Você ama mitologia nórdica? Então eu tenho uma notícia boa pra você:

 A nova série original que tem a proposta de trazer a mitologia nórdica para o tempo atual (igual a série Deuses Americanos). A série está sendo desenvolvida por Adam Price, e será ambientada na cidade fictícia de Edda, que apresentará um drama coming of age baseado na mitologia nórdica, todo ambientado em um colégio. A produção será dividia em seis partes, será totalmente norueguesa e ser chamará Ragnarok, sem previsão de estreia.



Fonte: UOL

O SEGUNDO EPISÓDIO DO HISTÓRIA NO CAST JÁ ESTÁ DISPONÍVEL: 

  No Spotify: https://open.spotify.com/show/3lRM9QTViqng5MxJNlb2rS

Távola Redonda do episódio:

  Leandro Marin - graduando de licenciatura em História pela UFRRJ, dono e criador da História No Paint

Bruno Britto - graduando de licenciatura em História pela UFRRJ

Igor Ribeiro - graduando de licenciatura em História pela UFRRJ

Convidados especiais: 

Luis Guilherme Kalil - Doutor em História Cultural pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Professor adjunto C-1 da área de História da América Colonial e América Independente no século XIX e integrante do corpo docente do Programa de Pós-graduação em História (PPHR) da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ - IM/Nova Iguaçu). Líder do grupo de pesquisa "História das Américas: fontes e historiografia" (UFOP/CNPq) e pesquisador associado aos grupos "LAméricas. Estudos e pesquisas em História da América Colonial" (UFMT/CNPq) e "LAMI. Laboratório de Mundos Ibéricos" (UFRRJ/CNPq). Possui experiência na área de ensino e pesquisa em História, com ênfase em História da América.

Cristian Wariu - Indígena Xavante com ascendência Guarani Nhandewa, criador do canal Wariu no Youtube e estudante de comunicação pela UnB. Conheçam o canal do Wairu clicando aqui

Conheça a Editora Contexto, patrocinadora oficial do História No Cast  clicando aqui

Dicas de livros: 
  


Apoie o História No Paint, seja um nobre: 

 O História No Paint é composto apenas por mim (Leandro Marin) e pela minha namorada (Patrícia Vougo) que me auxilia na administração das redes (Twitter, Instagram etc). Porém, o material sou eu que crio: resenhas de livros, documentários, memes e agora o podcast. Além de fazer tudo isso, também tenho que estudar para faculdade de História que faço, então, fico sem tempo para fazer quase nada. Seu apoio é indispensável para a manutenção do blog, podcast e todas as redes da História No Paint. Com apenas 10 reais por mês, você já me ajuda muito e além disso ganha alguns privilégios. Para saber mais como funciona a iniciativa, clique aqui

se o link não funcionar, aqui está o link direto: https://apoia.se/historianopaintcom

10 comentários:

  1. Triste ver como pessoas acreditam que uma Religião pode ser tratada com desrespeito e usada como mitologia e fictício.
    Torço por um dia onde todas religiões sejam tratadas como igual e não uma ideia "Mitológica" para os que não a seguem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Toda mitologia pode ser considerado religiao e vice e versa, inclusive a biblia.

      Excluir
    2. Odin é mais real que jesus cristo

      Excluir
    3. Dentro do movimento asastru ou o reconstrutivismo pagao nao existe ofensa com o termo mitologia.
      Acho que eh mais individual a ofensa do que religiosa.
      Otima notícia inclusive!!

      Excluir
    4. Não fique triste com a verdade dos fatos: religião e mitologia não tem diferença alguma!

      Excluir
    5. Pse kk eu n me ofendo com isso não, até por todas as religiões antigas são tratadas como mitologia, não só a nossa.

      Excluir
  2. O mito é a perspectiva com que um povo responde às questões fundamentais da existência. Baseia-se na imaginação religiosa coletiva, pois o povo recorre à sacralidade para responder a essas questões, que de outra maneira não poderiam ser explicadas naquele momento histórico. Como viemos a este mundo? Qual o sentido da morte? Nesse sentido, o mito pode ser considerado como verdade para um determinado povo. Já a ficção é de outra ordem, a ficção pode ser caracterizada como uma imaginação que nem precisa de "provas" para situa-la no campo da imaginação, isso porque é da sua natureza não ter pretensão de verdade. Por exemplo, ficção científica. Nesse caso, uma obra de ficção o leitor já parte do princípio que ela é fruto da imaginação, porque seu autor assim a identifica; já no caso do mito, o leitor poderá ficar na dúvida, pois o autor desaparece (ninguém sabe como surgiu) e a narrativa escrita já é o produto de um modo específico que um povo crê. Exemplo: uma narrativa que conte sobre a criação do mundo por Deus, no mínimo levanta a questão: Deus existe? E daí o paradoxo intransponível: a fé responderá "sim", a razão poderá ficar divida e não entender as situações da existência em face dessa verdade presente no mito. Na ficção não há esse paradoxo, pois ela já se identifica desde o início como simulação.

    ResponderExcluir
  3. hey esa portada es de amon amarth, imbecil

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.