Nilo Peçanha: o primeiro negro presidente do Brasil

3



Muitos não sabem, admito que até semana passada eu também não sabia, mas o Brasil já teve um presidente negro: Nilo Peçanha, que é considerado um dos maiores políticos do Estado do Rio de Janeiro.

Nilo Peçanha, nascido no distrito de Morro do Coco, é considerado o maior estadista fluminense tanto que foi o único campista que chegou a Presidência da República. Tem em sua história de vida várias vertentes, que o colocam na vanguarda político-administrativa da sua época.

Formou-se na Faculdade de Direito de Recife, foi advogado e jornalista, militando pela abolição da escravatura e pela república. Após o golpe, ele foi eleito pelo Partido Republicano em 1890. Anos depois tornou-se presidente do Estado do Rio de Janeiro (presidente é equivalente ao cargo de governador hoje em dia) e recebeu boa avaliação de sua gestão.

Se candidatou a Vice-presidência da República na chapa de Afonso que morreu em 1909. Nilo Peçanha assumiu o cargo durante 17 meses sendo conhecido pela criação do primeiro sistema nacional de escolas técnicas. Ao longo de sua vida pública, frequentemente sofria ofensas racistas veiculadas na imprensa que o descrevia como “mulato” atacando sua honra através de charges e anedotas racistas. Morreu em 1924

Nilo demonstrou domínio na arte da política. Era um exímio negociador e usava seu poder de persuasão com maestria. Nilo foi um dos primeiros a empregar a propaganda eleitoral para mobilizar a opinião pública, lançando mão dos recursos midiáticos disponíveis à época. Isto pôde ser constatado em sua campanha presidencial “Reação Republicana” (1922), a qual não lhe rendeu o cargo, a despeito de seus esforços.

Progressista e Positivista aguerrido, lutou pela revitalização econômica fluminense e sempre viu na educação a melhor forma de transformação de uma sociedade, tornando-a livre e próspera. Para ele, o Brasil do passado foi formado nas academias, mas o país do futuro sairia das oficinas. Desse modo, lutou pelo fim do analfabetismo, pela educação profissionalizante e pela industrialização, sem perder de vista a defesa da diversificação da agricultura nacional.

Durante o mandato de Nilo Peçanha também foi criado o Serviço de Proteção aos Índios (SPI), sendo designado para o comando do instituto o tenente-coronel Cândido Rondon. Em 1910, a sucessão presidencial foi disputada pelos candidatos Rui Barbosa e pelo marechal Hermes da Fonseca. Rui Barbosa pretendia restaurar os ideais civilistas em oposição ao militarismo do candidato marechal. Nilo Peçanha, de acordo com o histórico respaldo concedido ao militarismo, apoiou a candidatura do militar. Marechal Hermes da Fonseca saiu vitorioso nas eleições, no entanto, durante o mandato sofreria com as ressonâncias da campanha civilista de Rui Barbosa.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.